segunda-feira, 10 de março de 2014

LULA AO LA REPPUBLICA DA ITÁLIA - CRIAÇÃO DE EMPREGOS É O MAIS IMPORTANTE FATO PARA UM PAÍS E SUA ECONOMIA


Felizmente para o Brasil atual, controlar a inflação não significa arrocho salarial nem desemprego. O Brasil gerou no período dos últimos 11 anos, algo em torno de 17 MILHÕES DE EMPREGOS FORMAIS, e manteve, desde 2004 a INFLAÇÃO dentro da Meta. Cresceu mais ou um pouco menos, mas, cresceu sempre, e tirou MILHÕES de Brasileiros da miséria. Não retirou direitos trabalhistas e nem sociais, ao contrário, na contra-mão do mundo dito civilizado, onde falta trabalho para muita gente, aqui, em muitos empregos e profissões, sentimos falta de gente para trabalhar. 

Criar emprego é mais importante que controlar inflação, diz Lula

Em entrevista a jornal italiano, ex-presidente faz defesa à política econômica de Dilma e descarta disputar eleições em 2018
10 de março de 2014 | 9h 09
Fernando Nakagawa, correspondente da Agência Estado

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu que a criação de empregos deve ser a prioridade na economia em detrimento de outros temas, como o controle da inflação. Em entrevista ao jornal italiano La Reppublica publicada no domingo, o ex-presidente reafirmou apoio à reeleição de Dilma Rousseff em 2014. Sobre a disputa presidencial seguinte, disse que política é "imprevisível". Apesar disso, Lula diz que a natureza é implacável e ele estará com 72 anos na eleição presidencial de 2018.

Ao jornal italiano, Lula diz que "críticos gostariam que diminuíssemos o emprego para reduzir a inflação". "Mas para nós a defesa do emprego é mais importante que a inflação", disse. Lula comentou que foram criados 21 milhões de empregos nos últimos 11 anos (oito do governo Lula e três de Dilma Rousseff) e 42 milhões de brasileiros entraram na classe média. Na entrevista publicada, Lula não citou números da inflação.

Sobre as eleições presidenciais, Lula foi questionado sobre eventual volta para tentar a disputa de 2014. "Não. Eu vou apoiar minha companheira Dilma Rousseff", disse. Sobre 2018, Lula diz que a política é "imprevisível". "Mas a natureza é implacável: em 2018, para a eleição seguinte, eu terei 72 anos".

Questionado sobre os protestos populares, o ex-presidente diz que após a ascensão social dos últimos anos "brasileiros agora querem mais e com razão". Para Lula, isso só acontece atualmente porque há uma "democracia verdadeira" no País e as pessoas podem se expressar. 

Sobre a Copa do Mundo, Lula reconhece que poderá haver atrasos em obras de infraestrutura. Mesmo assim, avalia que o Brasil sairá fortalecido do evento.

Lula também fez uma crítica à atuação do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. O ex-presidente brasileiro disse que o atual governo venezuelano errou ao não se esforçar para iniciar um dialogo maior com a oposição.

Sobre a imagem do Brasil no exterior, Lula diz que o País era uma "criança" que cresceu e começou a ter um papel mais importante na economia, nos cargos internacionais e na mediação de assuntos globais. Por isso, diz, o Brasil estaria sendo visto como um "incômodo" para alguns países.

Um comentário:

LRM disse...

Lula pode dizer o que bem entender, inclusive negar que a corrupção de seu governo matou inúmeros brasileiros, especialmente por falta de assistência médica.

EM DESTAQUE - LEIA AGORA

JOÃO DORIA E ACMN LEVAM UMA MERECIDA CHUVA DE OVOS EM SALVADOR - EM VÍDEO

OS OVOS CHOCARAM E APODRECERAM ASSIM QUE TIVERAM CONTATO COM A CABEÇA DOS DOIS PREFEITOS LEIA A MATÉRIA AQUI

AS DEZ MAIS LIDAS NO MÊS