quarta-feira, 16 de outubro de 2013

O BRASIL QUE GERA EMPREGOS - 211 MIL POSTOS DE TRABALHO FORMAIS NO MELHOR SETEMBRO DESDE 2010

EMPREGO FORMAL - ISSO É REAL


SETEMBRO AZUL NA GERAÇÃO DE EMPREGOS

Caged registra geração de 211.068 mil postos de trabalho formais em setembro

É a maior geração para o mês de setembro nos últimos 3 anos. No acumulado do ano foram gerados 1.3 milhão de empregos

Brasilia, 16/10/2013 – Os dados do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta quarta-feira (16) pelo Ministério do Trabalho e Emprego apontam a geração de 211.068 postos de trabalho com carteira assinada no mês de setembro. O resultado do mês, um crescimento de 0,52%, aponta para uma reação do mercado de trabalho formal, sendo o melhor desempenho em setembro dos últimos 3 anos.

No acumulado do ano, o mercado formal gerou 1.323.461 empregos, um crescimento de 3,35%. Se considerado os últimos 12 meses, a elevação foi de 2,47%, um acréscimo de 984.573 postos. No período de janeiro de 2011 a setembro de 2013 houve uma geração de 4.7 milhões de empregos formais. Para o ministro Manoel Dias, o resultado positivo do mês demonstra o reaquecimento do mercado de trabalho. “Estamos gerando emprego, mesmo que num processo menos acentuado. Os dados de setembro demonstram que o mercado está reagindo às iniciativas do governo para alavancar postos de trabalho. A expectativa é que essa tendência continue”, avaliou.

O total de admissões no mês de setembro atingiu 1.805.458 e o de desligamentos alcançou 1.594.390, ambos os maiores para o período. O desempenho favorável decorreu da expansão quase generalizada dos setores de atividade econômica. Os destaques absolutos foram o setor de serviços, (+70.597) - um saldo superior ao registrado em setembro de 2012 (+55.221 postos; a Indústria de Transformação (+63.276 postos), o Comércio (+53.845 postos), com saldo superior ao registrado em setembro de 2012 (+35.319) e de 2011 (+42.373) e ainda da média de 2003 a 2012 (46.043 postos). A Construção Civil, com geração de 29.779 postos, saldo acima de 2012 (+10.175 postos) e de 2011 (+24.977 postos). A Agricultura ( -10.169 foi o setor que registrou queda, devido a presença de fatores sazonais.

O bom desempenho do setor Serviços ocorreu pela expansão generalizada dos ramos que o integram. Os serviços de alojamento e alimentação geraram 22.616 vagas (0,40%); seguido do comércio e administração de imóveis - geração de 20.246 novos postos (0,43%); ensino, que gerou 9.865 postos (0,63%); serviços médicos odontológicos que teve um saldo recorde, gerando 9.134 novas vagas no mês (0,52%); e o serviços de transporte e comunicações, que gerou 1.286 postos de trabalho (0,19%). 

Crescimento generalizado - Os dados revelam também que em todas grandes regiões houve a expansão no nível de emprego formal, com destaque para a região Nordeste com geração de 78.162 postos de trabalho (1,22%) e Sudeste que gerou 72.612 novas vagas de emprego formal (0,63%). O conjunto das nove áreas metropolitanas apresentou crescimento do emprego de 0,47% em setembro, equivalente a geração de 77.341 postos de trabalho, com destaque para São Paulo (26.891) e Rio de Janeiro (11.720), crescimento de 0,40% e 0,41% respectivamente.

Assessoria de Comunicação Social - MTE
(61) 2031-6537/2430 acs@mte.gov.br


2 comentários:

José Antônio disse...

Bond, não tenho dados precisos... é apenas um chute.

Mas tenho a impressão que grande parte dos empregos criados foram no item fármacos.

As empresas de produtos farmacêuticos não devem estar dando conta da demanda de Neosaldina e outros medicamentos para diminuir a dor de cabeça dos tucanos.

Devem estar contratando adoidado.

Recomendo à D. Lucia que consulte um médico antes de se auto-medicar.

Em casos assim, Neosaldina pode não ser o mais indicado.



BONDeblog S. O. disse...

José

Não há remédio que cure a dor de cabeça da oposição.

EM DESTAQUE - LEIA AGORA

JOÃO DORIA E ACMN LEVAM UMA MERECIDA CHUVA DE OVOS EM SALVADOR - EM VÍDEO

OS OVOS CHOCARAM E APODRECERAM ASSIM QUE TIVERAM CONTATO COM A CABEÇA DOS DOIS PREFEITOS LEIA A MATÉRIA AQUI

AS DEZ MAIS LIDAS NO MÊS