quinta-feira, 6 de novembro de 2014

O TEATRO DE AÉCIO NEVES NO SENADO ! TUCANOS FAZEM "ACERTO" NA CPI DA PETROBRAS


A TEMPERATURA BAIXOU MUITO NOS BASTIDORES DA CPI DA PETROBRAS. UM GRANDE "ACERTO" ENVOLVENDO QUASE TODOS OS PARTIDOS - REPETINDO - PT / PSDB / PMDB / PP / DEM / PPS /... - RESOLVEU NÃO CONVOCAR NENHUM "POLÍTICO" PARA DEPOR NA CPI. PETISTAS LIVRARAM ALGUNS DOS SEUS DO CONSTRANGIMENTO DE IR DEPOR,  TUCANOS LIVRARAM OUTROS DO SEU LADO.

O que o governo deseja com isso todos sabem. Quanto menos escândalo melhor. A PETROBRAS precisa ter seu nome retirado das páginas policiais, voltando para as páginas de economia, onde, vem BATENDO RECORDE de Produção e começando a operar novas REFINARIAS.

JÁ A OPOSIÇÃO, era de se esperar que insistisse no ESCÂNDALO, mas, pelo visto, seu telhado de VIDRO É ENORME. O PSDB ficou com medo do que um SERVIÇAL DE DO,LEIRO pudesse dizer, do ROSÁRIO DE NOMES DE TUCANOS que ele pudesse desfiar, explicando COMO, QUANDO E PARA QUEM FORAM OS R$ 10 MILHÕES que o então presidente do PSDB Sérgio Guerra recebeu (ou terias recebido) de YOUSSEFF.

Assim enquanto AÉCIO NEVES fazia discurso para aparecer na primeira página da MÍDIA PARTIDARIZADA, Carlos Sampaio (o mesmo que pediu a AUDITORIA DAS ELEIÇÕES), CHANCELAVA em nome dos TUCANOS o "acertão".

NOTA: AS EMPREITEIRAS NÃO TERÃO SEUS SIGILOS QUEBRADOS !!!!

MAIS AQUI - BASTIDORES

No escurinho da CPI, PSDB e PT se entendem
Sob refletores, Aécio Neves fez um pronunciamento de mostruário no plenário do Senado. Peito estufado, soou enfático: “Chamo a atenção desta Casa e dos brasileiros para o que vou dizer.” As frases saltavam-lhe dos lábios embebidas de sangue. “Qualquer diálogo tem que estar condicionado especialmente ao aprofundamento das investigações e exemplares punições daqueles que protagonizaram o maior escândalo de corrupção da história desse país, já conhecido como petrolão.”

Com loquacidade ensaiada, Aécio aproveitou os mais de 51 milhões de votos que recebeu dos brasileiros para elevar a estatura da oposição. Longe dos holofotes, no entanto, o PSDB dialogou com o PT para rebaixar o teto na CPI da Petrobras. A portas fechadas, tucanos, petistas e Cia. definiram o que não desejam investigar. No melhor estilo uma mão suja a outra, tiraram de cena políticos e operadores que estão pendurados de ponta-cabeça no noticiário sobre o escândalo da Petrobras.

Pelo lado do PT, foi à gaveta o requerimento de convocação do tesoureiro João Vaccari Neto, acusado de fazer o traslado da propina da Petrobras até as arcas do petismo. Enfurnaram-se também as convocatórias da senadora Gleisi Hoffmann e do seu marido, o ministro Paulo Bernardo (Comunicações). Ela foi delatado como beneficiária de uma youssefiana de R$ 1 milhão para a campanha de 2010. Ele foi apontado como uma espécie de agenciador.

No jogo de proteção mútua, o tucanato tirou de cena um potencial depoente chamado Leonardo Meirelles. Trata-se do empresário que, investido da autoridade de laranja do doleiro Alberto Youssef, declarou à Justiça Federal ter repassado propinas extraídas de negócios da Petrobras para o deputado pernambucano Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB federal, já morto.

Os acertos que transformaram o discurso de Aécio em palavras cenográficas foram feitos numa reunião a portas fechadas, antes do início da sessão da CPI. O repórter Gabriel Mascarenhas conta que o deputado petista Marco Maia, relator da comissão, achou tudo normalíssimo: “Gente, foi um acordo político, feito por todos os presentes, que se resolveu, em função da falta de densidade das denúncias, não produzir nenhum tipo de oitiva neste momento.''

O deputado tucano Carlos Sampaio dançou conforme a música, um chorinho bem brasileiro: “Decidimos excluir os agentes políticos e os citados nas delações premiadas. Abrimos mão de ouvir Gleisi e Vaccari. Todo mundo concordou.'' Repita-se, por eloquente, a última frase: “Todo mundo concordou”. Espanto! De novo: “Todo mundo concordou”. Pasmo! Mais uma vez: “Todo mundo concordou”. Estupefação.”

No escurinho da CPI, tucanos, petistas e toda a banda muda do Congresso desistiram também de quebrar os sigilos bancários, fiscais e telefônicos das empreiteiras acusadas de fraudar contratos na Petrobras. Optou-se, veja você, por requerer explicações por escrito. Estipulou-se um prazo: dez dias. A CPI ameaça torcer o nariz de quem desobedecer.

Sempre se soube que empreiteiras enxergam na testa dos políticos apenas o código de barras. E, de tempos em tempos, surge uma CPI para revelar os atalhos que levam os congressistas para proveitosos diálogos com potenciais financiadores.

Horas antes de Aécio discursar sobre suas condições para o diálogo, Dilma Rousseff dissera no Planalto que, passada a eleição, é hora de “desmontar os palanques”. Na CPI, as “condições'' e o “palanque'' já sumiram. Ali, tucanos e petistas estreitam a inimizade e exercem seu último privilégio, que é o de poder escolher seus próprios caminhos para a desmoralização. Por sorte, sempre que a Polícia Federal e o Ministério Público entram numa jogada, como na Operação Lava Jato, a promiscuidade pode acabar na cadeia.

2 comentários:

José Antônio disse...


Enquanto tenebrosas transações são realizadas com dinheiro público por integrantes de praticamente TODOS os partidos, Gilmar (Dantas) Mendes sentou em cima do processo que coloca fora da lei a contribuição de verbas de campanha por parte de pessoas jurídicas

José Antônio disse...


Chacina de moradores de periferia em Belém, convocada através do facebook pela

... PM estadual do Pará.

http://www.viomundo.com.br/denuncias/sulamita-esteliam.html

EM DESTAQUE - LEIA AGORA

JOÃO DORIA E ACMN LEVAM UMA MERECIDA CHUVA DE OVOS EM SALVADOR - EM VÍDEO

OS OVOS CHOCARAM E APODRECERAM ASSIM QUE TIVERAM CONTATO COM A CABEÇA DOS DOIS PREFEITOS LEIA A MATÉRIA AQUI

AS DEZ MAIS LIDAS NO MÊS