quarta-feira, 15 de outubro de 2014

AÉCIO NEVES JOGA NA LAMA A MEMÓRIA DE TANCREDO NEVES

QUEM TEM UM NETO DESSES NEM PRECISA DE DETRATORES

Aécio cita mar de lama, mote golpista em 54 e 64; Tancredo treme no túmulo
Mário Magalhães - 15/10/2014 

Se o vencedor de um debate televisivo é quem vende melhor seu peixe, seja pescado fresco ou com odores suspeitos, Aécio Neves (PSDB) levou o da Band, encerrado na madrugada de hoje.

Em matéria de conteúdo, Aécio também se destacou, contra sua oponente Dilma Rousseff (PT). A questão é qual conteúdo.

A certa altura do entrevero, digo, debate, discorrendo sobre a roubalheira na Petrobras, o tucano empregou a expressão “mar de lama''.

Além de imprópria, a começar pelo fato de que nem mesmo o senador insinua que a presidente da República seja mão-leve, a fórmula “mar de lama'' foi o mote de uma das mais sinistras conspirações golpistas da história republicana do Brasil: a que levou ao suicídio do presidente constitucional Getulio Vargas na manhã de 24 de agosto de 1954, horas depois de ser virtualmente deposto.

E olha que sessenta anos atrás Getulio era acusado de ter ordenado o atentado que resultou em ferimento a bala do jornalista de oposição Carlos Lacerda e na morte do major-aviador Rubens Vaz. Jamais surgiram indícios dignos de confiança sobre a participação de Vargas no plano contra o “Corvo'', como os partidários do gaúcho desqualificavam Lacerda.

Em suma, “mar de lama'' evoca leviandade, mentira, desprezo pela legalidade e aversão à democracia.

Apelar a tal expediente é mais grave no caso de Aécio, que não é um mentecapto: o ministro da Justiça de Getulio Vargas, na quadra sombria de 1954, era Tancredo Neves.

Ao contrário de muitos traíras, Tancredo batalhou até o fim contra a turma que alardeava haver um “mar de lama'' de responsabilidade do governo.

Em 1964, os golpistas que haviam recuado depois da morte de Getulio voltaram à carga e derrubaram o presidente João Goulart num golpe de Estado contra o Brasil. Qual era o mantra dos opositores de Jango? “Mar de lama'', “mar de lama'', “mar de lama''…

Primeiro-ministro no arremedo de parlamentarismo improvisado em 1961, com Goulart na Presidência, Tancredo Neves deixaria a função, mas permaneceria político influente. Na virada de março para abril de 1964, ele novamente desfraldou a bandeira da legalidade, contra o golpe. E contra a pregação sobre o dito “mar de lama'', cujo porta-voz mais ruidoso era, adivinha, Carlos Lacerda.

O constrangimento para Aécio não é a árvore genealógica. Ninguém é obrigado a sair aos seus.

Mas o tucano não se cansa de mostrar na TV a convivência e a parceria com o avô Tancredo.

Pelo visto, aprendeu pouco.

Hoje, o simpático mineiro que só subiu morto a rampa do Planalto deve estar esperneando no túmulo, ao ver o neto, como um simulacro de Lacerda, recorrer ao “mar de lama'' para ganhar a eleição.

Nenhum comentário:

EM DESTAQUE - LEIA AGORA

JOÃO DORIA E ACMN LEVAM UMA MERECIDA CHUVA DE OVOS EM SALVADOR - EM VÍDEO

OS OVOS CHOCARAM E APODRECERAM ASSIM QUE TIVERAM CONTATO COM A CABEÇA DOS DOIS PREFEITOS LEIA A MATÉRIA AQUI

AS DEZ MAIS LIDAS NO MÊS