terça-feira, 14 de janeiro de 2014

#RECEBALUNOSDILMA - ALUNOS DA GAMA FILHO VÃO À BRASÍLIA PARA AUDIÊNCIA COM A PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF

TRANSFERÊNCIA ASSISTIDA NÃO É SOLUÇÃO PARA O CASO DA UNIVERSIDADE GAMA FILHO


O recurso de transferência assistida pode ser válido e menos traumático, quando de uma faculdade pequena para outra de maior porte. Não é o presente caso em se tratando do DESCREDENCIAMENTO da Universidade GAMA FILHO e da UniverCIDADE. O governo precisa tratar desse assunto de uma forma mais atenta e com maior sensibilidade, evitando um desgaste enorme que terá mediante os prejuízos incalculáveis que ALUNOS - PROFESSORES e FUNCIONÁRIOS terão.

Não há no Rio de Janeiro, Faculdades/Universidades privadas (nem mesmo públicas) com capacidade para absorver tantos estudantes. Basta dizer que, só de MEDICINA seriam necessárias aproximadamente 2.000 VAGAS. E os professores - funcionários - ficam desempregados ?

A solução para a Gama Filho e UniverCidade é, a federalização da Instituição, com a incorporação de todo o patrimônio, créditos e bens pela UNIÃO. Evidente que teria a UNIÃO que arcar com o passivo/despesas, mas, o ganho seria infinitamente maior. A EDUCAÇÃO PÚBLICA passaria a contar com mais um complexo educacional de porte, o que certamente seria de grande relevância para que cumpra com a sua obrigação CONSTITUCIONAL.

REITORES APOIAM A FEDERALIZAÇÃO

É certo que existem muitos aspectos legais para que isso possa vir a ser concretizado, mas em respeito aos ALUNOS, PROFESSORES, FUNCIONÁRIOS e por extensão à sociedade que tem direito de contar com profissionais capacitados e bem formados, é preciso manter a GAMA FILHO de portas abertas, ainda que ADMINISTRADA agora de forma COMPETENTE e TRANSPARENTE.

Por isso, entendemos ser JUSTO que a Presidente Dilma Rousseff receba e tenha a devida atenção para aquilo que os estudantes da GAMA FILHO querem lhe dizer.

#RECEBALUNOSDILMA

Nota do Blog - Não sou aluno - professor - funcionário da Gama Filho - Tenho parentes e amigos que lá estudam - sei do momento difícil que estão vivendo. Essa é a razão de abordar o tema.

6 comentários:

José Antônio disse...

Bond,

Realmente, quando um vespeiro desses vem sendo ignorado por sucessivas administrações federais, botar a mão nele, para desconstrui-lo, é muito complicado.

A federalização das Universidades seria uma possível solução. Infelizmente ela esbarra no fato de que tanto professores quanto funcionários das privadas seriam absorvidos, sem concurso, pelo serviço público.

Um problema suplementar é que os alunos entrariam em uma Universidade Federal sem terem prestado um vestibular nas mesmas condições em que outros que ralaram bastante passaram.

No momento TODAS as soluções são ruins. Trata-se de de encontrar aquela que traga menos danos aos corpos docente, discente e de funcionários, além de preservar a credibilidade das novas instituições, recém criadas, para que a sociedade não seja mais enganada por portadores de diplomas sem a correspondente credibilidade.

E isso deve ser feito, já, a partir de ontem, para todas as demais privadas. Imagina o tamanho desse vespeiro.

Agradeçam ao Sr. Ex-Ministro da Educação, Paulo Renato, que embora não tendo sido o criador do vespeiro, soube, com muito esmero, ampliá-lo a ponto de torná-lo quase inexpugnável.

Que o MEC não esmoreça. Vá em frente!

Há muita arapuca por aí, fingindo-se de Universidade e vendendo diplomas em suaves prestações.

Os pais dos alunos e seus filhos também são corresponsáveis nessa grande confusão.

José Antônio disse...

Uma possível solução à federalização, que também acho ser aquela que menos resultados adversos contém, seria a elaboração de um processo de médio prazo no qual todos os professores e funcionários deveriam progressivamente passar por exames públicos.

O prazo poderia ser de uns 5 ou 6 anos, para dar tempo a que estes profissionais se preparassem adequadamente para dele participarem

Não sei que empecilhos legais isso produz. Mas pode ser o início de uma nova legislação que promova pouco a pouco o fechamento das tampas dessas privadas que exalam um enorme mau cheiro.

Algumas outras privadas que deveriam estar atentas com o fat: Estácio de Sá, Uniban, UNIP, Castelo Branco, Veiga de Almeida, Santa Úrsula (se é que ainda existe), e muitas outras que agora não consigo me lembrar.

Todas elas possuem passivos com seus professores, funcionários, alunos, receita e, acima de tudo, com a sociedade que têm sido enganada por elas ao longo de várias décadas.

José Antônio disse...

Corrigindo:

"Algumas outras privadas que deveriam estar atentas com o fato:"

BONDeblog S. O. disse...

José

A questão da Gama Filho ASSUME UMA PROPORÇÃO MUITO GRANDE DEVIDO AO NÚMERO ELEVADO DE SEUS ALUNOS.

PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS poderiam ser admitidos através de um regime especial de contratação temporário.

José Antônio disse...

Na proposta que fiz acima de progressiva adaptação às regras do funcionalismo público, e que não sei se é juridicamente aceitável, as instalações das duas Universidades seriam absorvidas pelo Governo Federal.

Com um mínimo de organização é possível manter o próximo ano letivo, mantendo todos os alunos nas mesmas salas de aula e com os mesmos professores os quais seriam pagos, via governo federal, mas através das anuidades, como até então era feito.

Com isso, os alunos, mesmo em grande quantidade não teriam que ser realocados.

Só não sei se isso é juridicamente aceitável.

Me preocupa também o recurso impetrado, junto à justiça, pela Galileo, a mantenedora. Nesses casos a justiça é lenta e tudo pode continuar no mesmo caos.

Veja, por exemplo, as últimas decisões da justiça em SP, em relação às medidas tomadas pelo Prefeito Haddad em relacionadas ao IPTU e ao corredor de ônibus.

BONDeblog S. O. disse...

José

De fato, a justiça no Brasil só corre para prender petista

EM DESTAQUE - LEIA AGORA

JOÃO DORIA E ACMN LEVAM UMA MERECIDA CHUVA DE OVOS EM SALVADOR - EM VÍDEO

OS OVOS CHOCARAM E APODRECERAM ASSIM QUE TIVERAM CONTATO COM A CABEÇA DOS DOIS PREFEITOS LEIA A MATÉRIA AQUI

AS DEZ MAIS LIDAS NO MÊS