sexta-feira, 8 de novembro de 2013

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS REPARA INJUSTIÇA - ESCRITOR ANTONIO TORRES É ELEITO DOIS ANOS DEPOIS DE DERROTADO POR MERVAL PEREIRA QUE SÓ ESCREVEU UM LIVRO E MEIO

Autor de vários livros (16 obras), algumas delas premiadas até internacionalmente, reconhecido como um dos mais brilhantes contistas e romancistas do Brasil, Antonio Torres conseguiu ontem, com dois anos de atraso, ser eleito para ocupar uma cadeira na ABL.

Repara-se assim uma injustiça cometida em 2011 quando foi derrotado pelo jornalista de O Globo, Merval Pereira, que em termos de livros publicados é em quantidade e qualidade, MEDÍOCRE. 

Só mesmo por ter a ABL uma posição muito politizada, e ultimamente decepcionante, é que Merval Pereira pode vencer Antônio Torres na disputa por uma cadeira.

Antônio Torres é eleito para cadeira que foi de Machado de Assis na Academia Brasileira de Letras
08/11/2013
Nacional - 
Cristiane Ribeiro* - 
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - O escritor baiano Antônio Torres foi eleito hoje (7) para ocupar a Cadeira 23 da Academia Brasileira de Letras (ABL), vaga desde o dia 3 de agosto, com a morte do jornalista e musicólogo Luiz Paulo Horta. Romancista, Torres obteve 34 dos 39 votos.

A Cadeira 23, fundada pelo primeiro presidente da ABL, Machado de Assis, já teve como ocupantes os escritores Lafayette Rodrigues Pereira, Alfredo Pujol, Otávio Mangabeira, Jorge Amado e Zélia Gattai.

Nascido em 1940 em um povoado chamado Junco, hoje a cidade de Sátiro Dias, no sertão da Bahia, Antônio Torres estudou em Salvador, onde começou a trabalhar como repórter no Jornal da Bahia. Também foi publicitário em São Paulo, antes de ir para o Rio de Janeiro.

Sua estreia na literatura ocorreu em 1972, com o romance Um Cão Uivando para a Lua. Desde então, publicou outras 15 obras, entre elas os romances Essa Terra (1976) e Um Táxi para Viena D'Áustria (1991), ambos traduzidos para o francês e que valeram ao escritor a condecoração de Chevalier des Arts et Lettres, concedida em 1998 pelo governo da França.

Antônio Torres também recebeu outros prêmios literários, entre eles o Machado de Assis, da própria ABL, concedido em 2000. Os romances e livros de contos do escritor têm como cenários tanto o meio rural como a vida urbana ou ainda a história do Brasil, como é o caso de Meu Querido Canibal (2000), que relata a saga dos índios tamoios, na época da fundação da cidade do Rio de Janeiro.

Em 2011, Antônio Torres tentou ingressar na academia, mas foi derrotado pelo jornalista Merval Pereira Filho. Os outros escritores que concorriam à Cadeira 23 são Blasco Peres Rego, Eloi Angelo Ghio, José Wiliam Vavruk, Felisbelo da Silva e Wilson Roberto de Carvalho de Almeida.

* Colaborou Paulo Virgílio
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir o material é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

Um comentário:

Carlos Cwb disse...

Eu recusaria tal "honraria" haja vista a companhia...

EM DESTAQUE - LEIA AGORA

JOÃO DORIA E ACMN LEVAM UMA MERECIDA CHUVA DE OVOS EM SALVADOR - EM VÍDEO

OS OVOS CHOCARAM E APODRECERAM ASSIM QUE TIVERAM CONTATO COM A CABEÇA DOS DOIS PREFEITOS LEIA A MATÉRIA AQUI

AS DEZ MAIS LIDAS NO MÊS