sexta-feira, 18 de outubro de 2013

REFORMA AGRÁRIA - O BRASIL PRECISA AVANÇAR MUITO E FAZER JUSTIÇA NO CAMPO

REFORMA AGRÁRIA É FATOR FUNDAMENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA E JUSTIÇA SOCIAL.


Governo publicará até o fim do ano 100 decretos de desapropriação de terras para reforma agrária
Danilo Macedo
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, anunciou hoje (17), durante o lançamento do Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica - Brasil Agroecológico, que o governo publicará até o fim do ano 100 decretos de desapropriação de terras para a reforma agrária no país.

A presidenta Dilma Rousseff, que discursou no evento depois de Pepe Vargas, disse que o ministro avançou no método de desapropriação de terras, fazendo uma avaliação da viabilidade produtiva dos assentamentos.

“Muitas vezes assentaram-se famílias no país em lugares que não tinha como se sustentar. Não só apoio [a reforma agrária], mas é uma questão que também exijo porque não temos como colocar famílias em um lugar em que elas não têm condição de tirar sua renda”, disse, adiantando que podem ser assinados até mais de 100 decretos.

Ontem (16) manifestantes de várias organizações como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a Via Campesina e a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Gontag) fizeram um protesto em frente do Ministério da Agricultura e ocuparam o hall de entrada do prédio, impedindo a entrada de servidores. Após desobstruírem a entrada do prédio, as lideranças dos movimentos sociais foram recebidas pelos ministros da Agricultura, Antônio Andrade, e da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

Após a reunião, a coordenadora da Via Campesina, Rosângela Cordeiro, disse que os ministros assumiram o compromisso de analisar a pauta de reivindicações, focada principalmente na retomada da desapropriação de terras para reforma agrária e assentamento dos trabalhadores, que, segundo ela, estão paralisados há mais de três anos.

Nos últimos dias, manifestações em defesa da reforma agrária estão ocorrendo em várias cidades do país. Além dos trabalhadores rurais, peritos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em alguns estados também fizeram protestos contra a paralisação de projetos de reforma agrária no órgão. Segundo eles, a presidência não assinou nenhum decreto de desapropriação de terra com esse fim em 2013, sendo o menor índice desde 1992, quando foram foram publicados quatro decretos.

Edição: Juliana Andrade
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

2 comentários:

José Antônio disse...

Reforma agrária e julgamento dos torturadores:

"O novo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acaba de sinalizar importante mudança na interpretação da Lei da Anistia de 1979. Em manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal sobre a extradição de um ex-policial argentino, o ocupante do mais alto cargo do Ministério Público Federal observa que a anistia brasileira deve se submeter às convenções internacionais que tratam do assunto e das quais o Brasil é signatário.

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,procurador-geral-contesta-anistia-e-diz-que-tortura-e-morte-sao-imprescritiveis,1086968,0.htm

BONDeblog S. O. disse...

José

Eu estou levando fé que o novo PGR vai resgatar a credibilidade e independência que foi abalada pelo seu antecessor.

EM DESTAQUE - LEIA AGORA

JOÃO DORIA E ACMN LEVAM UMA MERECIDA CHUVA DE OVOS EM SALVADOR - EM VÍDEO

OS OVOS CHOCARAM E APODRECERAM ASSIM QUE TIVERAM CONTATO COM A CABEÇA DOS DOIS PREFEITOS LEIA A MATÉRIA AQUI

AS DEZ MAIS LIDAS NO MÊS