quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

DERAM TOMBO EM TOMBINI – BANCO CENTRAL ELEVA SELIC CHANTAGEADO PELOS MERCADOS – JUROS E ESCONJUROS.

O BANCO CENTRAL elevou a TAXA SELIC em 0,5 pontos percentuais, na sua primeira reunião do COPOM no governo Dilma Rousseff.

A SELIC agora está em 11,25%, e os juros, descontada a inflação, na casa de 5,5%, sendo assim uma das maiores taxas do mundo.

Não é por acaso que a enxurrada de dinheiro especulativo dos “banqueiros” e agiotas de todo o mundo estão sendo despejadas por aqui. Onde, tantos, ganhariam tanto, com tão pouco esforço e em tão pouco tempo?

O Brasil possui uma meta de inflação estipulada em 4,5 %, com banda de 2 pontos de tolerância, a inflação está dentro da meta já faz tempo, e, os soluços, ocorrem por fatores sazonais e principalmente pela questão do preço dos alimentos e aumento do poder de compra do brasileiro.

“Desgraçadamente” para a elite econômica e que atira ovos podres pela varanda de seus APs de IPANEMA, milhões de brasileiros passaram a comer mais, gastar mais com “supérfluos”, tipo sabonete e desodorante, e ainda se deram ao desfrute de comprar carro. A inflação se afastou do centro da meta, e isso é “inadmissível”, quando o motivo é um pouco mais de conforto e melhores condições de vida para a “ralé”.

Bobos são os que pensam que os “mercados” estão preocupados com a inflação.

Os “MERCADOS’ querem é mais SELIC, pois, quanto maior seu percentual, mais eles ganham com os títulos que possuem, e são remunerados em valores mais exorbitantes.

Daí a Campanha insidiosa e odiosa que fizeram, lançando na praça a “peça” amplamente difundida pelos economistas pregoeiros do caos, de que, se o BC de Tombini não aumentasse (e muito) os juros agora, a inflação iria explodir, além do que, isso sinalizaria que ele, o BC DE TOMBINI, não possui autonomia.

O BC de Tombini TOMBOU chantageado pelos “mercados”. Era o momento de entrar e aguardar o primeiro mês de governo, o resultado das primeiras medidas econômicas, o reflexo do aumento do compulsório, a queda dos preços do IGPM e IPCs, como de fato estão ocorrendo, mas, preferiu entre ficar com a fama de ser tutelado pela Presidente Dilma, ser de fato, tutelado pelos especuladores e agiotas.
<>

4 comentários:

Vincent van Blogh disse...

Bond,

Temos problemas estruturais e culturais que não nos ajudam a baixar os juros sempre que há uma ameaça de repique inflacionário.

Estruturalmente, ainda temos mecanismos de indexação que fazem com que inflação passada reflita na inflação presente e futura.

Culturalmente, aprendemos dos tempos de inflação, que nossas poupanças devem render anualmente taxas de dois dígitos. Isso no mundo inteiro não acontece.

Tanto os governos de FHC quanto os de Lula falharam nesse aspecto.

Temos que desmontar essas engrenagens se quisermos ser como qualquer país do mundo.

Houve um momento, antes da crise internacional, em que quase pudemos começar a desarmar um pouquinho essa armadilha.

A iniciativa foi demagogicamente bombardeada pelo PPS (Roberto Freire) e o Lula piscou e retrocedeu. Depois, com a crise internacional, a oportunidade se perdeu.

Esperemos, agora, com a Presidenta Dilma, que progressivamente, sem foguetório, essas coisas possam ser postas em seu devido lugar.

Haverá os que ingenuamente irão se opor. Muitos aposentados e aplicadores de poupança, por exemplo, acreditam que sempre são vítimas de manobras feitas com o intuito de prejudicá-los. Isso é um prato feito para os que, espertamente, usam desse viés cultural para bombardear possíveis mudanças estruturais das quais tanto uns quanto outros também se beneficiarão.

Nas últimas eleições, esse estratagema demagógico quase deu certo. As propostas de aumento do Salário Mínimo, 13o. para o Bolsa Família, e abonos para aposentados, feitas pelo Serra, nitidamente iriam prejudicar, no futuro, os supostos agentes beneficiados com as medidas.

Felizmente, a população percebeu o engodo e não se deixou levar pelo canto da serreia careca. Acho que é um indício de maior maturidade política.

No ano que vem, sem muito foguetório, apenas aplicando, mais uma vez, as regras adotadas pelo presidente Lula, o salário mínimo já deve ultrapassar R$ 610,00.

Vincent van Blogh disse...

Ah, sim, Bond...

Com os aumentos reais do salário mínimo, evidentemente, o valor das aposentadorias, para quem ganha mais de um SM, se medido em quantidades de SM, caiu. Mas isso não significa que esses aposentados tenham sido prejudicados, já que suas aposentadorias foram corrigidas pela inflação.

Durante muitos anos, do período inflacionário, uma grande parcela de nossa economia (aluguéis, por exemplo) estava perversamente indexada ao valor do SM. Com isso, os aumentos de SM eram rapidamente sugados por esses setores, os quais não sentiam a menor diferença. Em consequência, o assalariado também não se beneficiava dos reajustes.

Felizmente, hoje, isso já não ocorre tanto.

007BONDeblog disse...

VAN

Acho que o BC, com base em tudo o que se acumulou de experiência nesses oito anos, não precisa mais se apavorar com a inflação. É preciso sempre atençaõ e cuidado, mas não entrar de sola aumentando juros.

Quanto aos problemas estruturais de nossa economia, também espero que o novo governo consiga enfrentar alguns deles.

Um abraço

Vincent van Blogh disse...

Bond,

Parece que o blog do esquerdopata saiu do ar.

Pelo menos, não estou conseguindo acessá-lo agora, neste momento.

Obtenho: O blog que você está procurando não foi encontrado.

Espero que não seja nenhum tipo de censura.

EM DESTAQUE - LEIA AGORA

JOÃO DORIA E ACMN LEVAM UMA MERECIDA CHUVA DE OVOS EM SALVADOR - EM VÍDEO

OS OVOS CHOCARAM E APODRECERAM ASSIM QUE TIVERAM CONTATO COM A CABEÇA DOS DOIS PREFEITOS LEIA A MATÉRIA AQUI

AS DEZ MAIS LIDAS NO MÊS